#

.html
Versículo do Dia


domingo, 18 de novembro de 2012

Hamartiologia - A Doutrina do Pecado

Pecado é tudo que fazemos em desacordo com a vontade de Deus, contrário à Sua Palavra, em desobediência aos seus mandamentos. O pecado é um ato de rebeldia: "Todo aquele que pratica o pecado, também transgride a lei, pois o pecado é a transgressão da lei" (1 João 3.4). Há duas palavras gregas, dentre outras, para definir pecado: "Harmatia" (transgredir, pecar contra Deus, praticar o mal) e "Adikia" (iniqüidade, maldade, injustiça).

Chamamos de pecado original o que independe de nossas falhas, o pecado herdado pela desobediência de Adão e Eva. O primeiro homem, como representante da raça humana, corrompeu toda a humanidade ao transgredir a lei de Deus. O Senhor Deus ordenou ao homem: "De toda a árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás, pois no dia em que dela comeres, certamente morrerás". A mulher, dando ouvidos à serpente, comeu do fruto da árvore proibida e cometeu o primeiro pecado da humanidade. "Como semente gera semente da mesma espécie", nós, sementes de Adão, herdamos a natureza pecaminosa. Assim, "por um só homem entrou o pecado no mundo; pois todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus". (Gênesis 2.16-17; 3.1-6; Romanos 3.23; 5.12). A esperança é que se "pela desobediência de um só homem, muitos foram feitos pecadores, assim pela obediência de uns muitos serão feitos justos". (Romanos 5.19). 

 Filhos do diabo, da ira da desobediência, do mundo e da carne, são expressões equivalentes que caracterizam a situação dos que se encontram na prática do pecado, voluntária e continuamente (Lucas 16.8; Efésios 2.3; 1 Pedro 1.14; 1 João 3.10; Efésios 5.6; Romanos 9.8).

  Certamente, Deus não criou o pecado, muito menos o aceita, pois n'Ele não há maldade. Acontece que Ele deu ao homem liberdade para decidir. Deu-lhe o livre-arbítrio. No Éden, Deus estabeleceu o princípio da obediência. A obediência é necessária para que o homem viva em comunhão com Seu Criador. Muitos hoje em dia dão ouvidos ao diabo e desprezam as palavras de advertência do Criador. O resultado é a morte eterna. (Gênesis 2.17; Romanos 6.23).

Entre tanto, em Jesus, somente n'Ele é possível ser liberto deste e de qualquer pecado. Remissão quer dizer perdão, redenção, quitação de uma dívida. Em certos contratos comerciais inserem-se um dispositivo chamado "cláusula de remissão", onde se define o preço da remissão, a fim de que o bem hipotecado seja liberado. Uma vez pago o preço acertado, o bem hipotecado fica livre, sem ônus, sem impedimentos. O preço de nossa redenção, de nossa libertação, foi o sangue de Jesus: "Sem derramamento de sangue não há remissão". (Hebreus 9.22). "O Cristo padecerá, e ao terceiro dia ressurgirá dentre os mortos, e em seu nome se pregará o arrependimento e a remissão de pecados...". (Lucas 24.46-47). Sem arrependimento não há remissão dos pecados. Em Jesus "temos a redenção pelo seu sangue, a saber, a remissão dos pecados". (Colossenses 1.14). 

Cuidemo-nos para não cairmos em nossa concupiscência, desejo carnal incontrolável. Não somente no  que diz respeito não aos apetites sexuais, mas a bens e gozos materiais, no desejo, sem domínio, de saciar a qualquer custo à vontade do corpo, da carne. Concupiscência dos olhos: desejo de ver ou presenciar cenas de violência, tumultos, pornografias, filmes eróticos, obscenidades, etc. Concupiscência dos ouvidos: desejo de ouvir piadas imorais; de ouvir músicas profanas; de dar ouvidos a boatos que agridem a privacidade das pessoas. Concupiscência dos lábios: desejo de dizer "palavrão", palavras imorais, chulas, indecentes; desejo de comentar e conversar sobre a intimidade das pessoas, das famílias, das autoridades. Concupiscência do estômago: apego excessivo a boas iguarias, ao bom prato, ou a determinada espécie de comida. (Gálatas 5.16-21). Concupiscência é sinônimo de avidez, cobiça e ganância. "Não ameis o mundo, nem o que há no mundo. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. Pois tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo". (1 João 2.15-16).
  
Uma das mais citadas nos dias atuais é a masturbação, ato de manipular os órgãos sexuais externos com a finalidade de atingir o orgasmo. A Bíblia não fala diretamente sobre o assunto, mas algumas passagens nos levam a considerar a masturbação pecado. Vejamos:

  • 1) "Antes, andávamos nos desejos da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira..." (Efésios 2.3).
  • 2) "Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, para lhe obedecerdes em suas concupiscências [desejo incontrolado]" (Romanos 6.12).
  • 3) “Fugi da prostituição”. Todo pecado que o homem comete é fora do corpo; mas o que se prostitui peca contra o seu próprio corpo; não sabeis que o nosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos?"(1 Coríntios 6.18-19).
  • 4) "Porque as obras da carne são: prostituição, impureza, lascívia... e coisas semelhantes a estas... os que cometem tais coisas não herdarão o Reino de Deus"(Gálatas 5.19-20). Lascívia/luxúria: libidinagem, sensualidade. Libidinoso: aquele que procura sem pudor o prazer sexual.
  • 5) "Porque esta é à vontade de Deus, a vossa santificação... que cada um de vós saiba possuir o seu vaso em santificação e honra, não na paixão de concupiscência...porque Deus não nos chamou para a imundícia, mas para a santificação" (1 Tessalonicenses 4.3-7).
Não se pode negar a existência do impulso sexual nos seres humanos, impulso criado por Deus para um fim proveitoso - o da multiplicação da espécie humana, ou seja, o sexo entre homem e mulher, casados. (Gênesis 1.28). Todavia, homens e mulheres têm de várias formas pervertido esse desejo. O homossexualismo é uma dessas impurezas e desvio sexual. A masturbação é uma variante da impureza sexual: vicia, escraviza e causa morte espiritual. O nosso corpo não é para ser usado da maneira como bem entendemos: "Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm; todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma" (1 Coríntios 6.12).
Os jovens certamente perguntarão: Como fazer para conter o forte desejo sexual? Devem primeiramente esvaziar a mente das imagens eróticas captadas via televisão, revistas, filmes e danças sensuais. Não devemos colocar coisas impuras diante de nossos olhos. Em segundo lugar, devem encher a mente, coração e alma com a palavra de Deus. Por último, orar, e orar muito, para não cair em tentação (Lucas 22.40). E poder dizer com Paulo: "Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou e se entregou a si mesmo por mim" (Gálatas 2.20).

   Visto que são estas coisas que nos leva a condenação diante do Senhor nosso Deus. A passagem está na primeira carta aos coríntios e inserida nas instruções de Paulo sobre a celebração da Ceia do Senhor: “Porque o que come e bebe indignamente como para sua própria condenação, não discernindo assim, o corpo de Cristo" (1 Coríntios 11.29). Referência símile acha-se no verso 27: “Portanto, qualquer que comer este pão ou beber o cálice do Senhor, indignamente, será culpado do corpo e do sangue do Senhor”. “Indignamente” significa de forma indigna, não respeitosa, não reverente, não adequada. Peca contra o Senhor quem participa da Ceia de forma indiferente, sem reconhecer que os elementos da Ceia representam o corpo e o sangue de Cristo; sem a intenção de relembrar o Calvário. Os que participam da Ceia apenas para cumprir um ritual, uma cerimônia, sem a intenção de abandonar o pecado, “come e bebe para sua própria condenação”, pois não fazem distinção entre uma refeição normal e a Ceia. Quem assim procede “é culpado de crucificar de novo a Cristo e torna-se imediatamente sujeito a juízo e retribuição específicos”. Quem assim procede coloca-se do lado dos que se rebelam contra Cristo e Sua Palavra. É bom saber que os coríntios se reuniam periodicamente numa festa de confraternização, e cada família levava seu próprio alimento.. Por isso, Paulo recomenda: “Quando vos ajuntais para comer, esperai uns pelos outros”. Nessas festas os pobres ficavam com fome e os ricos ficavam “embriagados” de tanto comer (versos 21-22). Paulo não aprovou essas festas cristãs.

 Assim como Deus não aprova a homofobia, pois criou homem e mulher e lhes dotou de órgãos específicos e especialmente destinados à reprodução da espécie, chamados órgãos sexuais ou genitais. “Assim Deus criou o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou. macho e fêmea os criou” (Gênesis 1.27). Homem e mulher possuem genitália apropriada à reprodução. Notem que Deus não criou meio termo, não criou um ser humano que em determinado momento pudesse assumir funções híbridas. Deus não criou um homem com possibilidades sexuais de desempenhar o papel da mulher no ato sexual, e vice-versa. Ocorre que a natureza pecaminosa em função da queda no Éden coloca o homem em rebeldia contra Deus. Pela influência do diabo, o homem continua se rebelando contra o Criador e Sua palavra. A homossexualidade surgiu em decorrência dessa rebeldia. Se o homem assume postura própria de mulher; se a mulher assume funções próprias do homem no ato sexual, caracteriza-se um comportamento contrário à vontade do Criador. Deus nos criou para uma relação heterossexual. Dizer que quem nasce gay morre gay; quem nasce lésbica morre lésbica; que se trata de uma opção sexual válida; que o homossexualismo é uma opção dentre outras; que tudo é permitido desde que satisfaça as partes envolvidas; que não existe pecado; que tudo é válido quando existe amor; que o homossexualismo é genético e por isso irreversível; que a única saída para os pais é aceitar a opção sexual de seus filhos, e tantos outros argumentos semelhantes, são vozes de pessoas que desconhecem o poder e a palavra de Deus. Convém dizer que o diabo deseja destruir o homem, física e espiritualmente, porque o homem é a obra-prima de Deus. Os que estão no homossexualismo têm chance de reverterem o quadro: devem se arrepender e aceitar o senhorio de Jesus, que veio para destruir as obras do diabo, libertar os cativos, aliviar os oprimidos. “Se o filho vos libertar verdadeiramente sereis livres” (Lucas 4.18; João 8.36), livres da prostituição, das impurezas, do pecado. O homossexualismo é reversível e quem reverte essa situação é o Senhor Jesus. Ouçamos a voz de Deus:

“Com homem não te deitarás, como se fosse mulher; é abominação” (Levítico 18.22; 20.13).

“Sabendo que a lei não é feita para o justo, mas para os injustos... para os fornicadores, para os Sodomitas... (o realce é meu). (1 Timóteo 1.10)”.

"Pelo que Deus os entregou aos desejos de seus corações, à imundícia, para desonrarem seus corpos entre si...pelo que Deus os abandonou às paixões infames. Até as suas mulheres mudaram o uso natural, no contrário à natureza. Semelhantemente, também os homens, deixando o uso natural da mulher, inflamaram-se em sua sensualidade uns para com os outros, homem com homem, cometendo torpeza, e recebendo em si mesmos a penalidade devida ao seu erro... estão cheios de toda iniqüidade, prostituição, malícia, avareza, maldade, inveja, homicídio, contenda, engano e malignidade. Embora tenham conhecimento da justiça de Deus (que são dignos de morte os que tais coisas praticam), não somente as fazem, mas também aprovam os que as praticam" (Romanos 1.24-32).

"Não erreis: nem impuros... nem adúlteros, nem efeminados, nem sodomitas herdarão o reino de Deus" (1 Coríntios 6.9-10). Nota: Sodomita, o que pratica a sodomia: cópula anal, entre homem e mulher ou entre homossexuais masculinos.

“Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convém; todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma” (1 Coríntios 6.12).

“O corpo não é para prostituição, senão para o Senhor, e o Senhor para o corpo” (1 Coríntios 6.13b)

Aquietemo-nos pelo pecado de Adão, pois nós, que somos seu herdeiro não pagaremos por seu erro no passado, como alguns afirmam, utilizando de textos como: (Isaias 14:21) "Preparai a matança para os filhos por causa da maldade de seus pais, para que não se levantem e possuam a terra... (Êxodo 20:5) Pois eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a maldade dos pais nos filhos até a terceira e quarta geração. (Êxodo 34:7) Ao culpado não tem por inocente; castiga a iniqüidade dos pais sobre os filhos dos filhos até a terceira e quarta geração. (1Crônicas 15:22) Pois assim como todos morreram em Adão...
(Deuteronômio 5:9) Pois eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a maldade dos pais nos filhos até a terceira e quarta geração".

Os filhos não pagam pelos pecados dos pais?
(Ezequiel 18:20) "O filho não levará a maldade do pai, nem o pai levará a maldade do filho. (Deuteronômio 24:16) Os pais não serão mortos pela culpa dos filhos, nem os filhos pela culpa dos pais; cada qual morrerá pelo seu pecado".

A resposta está na própria Bíblia, como citado acima: cada um prestará com de si para Deus. Um não paga pelo outro. O único que pagou por nós foi Jesus. Não existe contradição. A Bíblia complementa e explica o enunciado de Êxodo 20.5, em Ezequiel 18.20 e Deuteronômio 24.16. Moisés fala da consequência dos pecados dos pais nos filhos (Êxodo 20.5). Dada a possibilidade real de os filhos seguirem os passos dos pais, serão eles também punidos. Deus não castiga o inocente. Os filhos serão castigados se de alguma forma, induzidos ou não, pecarem junto com seus pais. Todavia, a culpa destes não é transferida àqueles. Quanto ao julgamento de Deus, devemos ficar tranquilos porque o Justo Juiz julgará com justiça. Com relação a 1 Coríntios 15.22 e Romanos 5.12 todos os homens pecaram em Adão devemos entender que semente gera semente da mesma espécie . Somos da espécie de Adão, da semente de Adão, originários do primeiro ato sexual do primeiro casal. Adão é o cabeça da raça humana. Logo, herdamos a sua natureza pecaminosa, assim como um filho herda traços físicos e até morais de seus pais. Não somos, portanto, completamente distintos de Adão e Eva. E quem é mais sábio do que Deus? Se Ele diz que pecamos em Adão é porque pecamos. Mas Deus oferece a condição de sairmos desse laço: ao aceitarmos a Jesus como nosso Senhor e Salvador, somos capacitados a vencermos a inclinação para o mal. O livre-arbítrio do homem dá-lhe condições de optar por continuar com sua moral abalada, ligada umbilicalmente a Adão, ou por cortar os laços do velho homem e receber Novo Nascimento em Cristo Jesus.

Avalie o artigo:

0 comentários:

Postar um comentário

Todo tipo de comentário desrespeitoso será deletado.